Gestão de Viagens Corporativas

Funcionários podem dividir quarto em viagens corporativas

Por 10 de setembro de 2019 Sem comentários

Funcionários podem dividir quarto em viagens corporativas. Porém, a questão é polêmica e controversa. Enquanto uns vêm como uma oportunidade para estreitar laços, outros rechaçam a ideia de partilhar algo tão íntimo com um colega de trabalho.

A verdade é que a grande maioria das empresas recorre a essa estratégia para reduzir os custos com as viagens corporativas, responsáveis por comprometer boa parte do orçamento. A gestão encontra nessa alternativa uma maneira de não diminuir a participação dos colaboradores em eventos ou reuniões que acontecem no mesmo lugar.

Pensando nisso, trouxemos as vantagens e desvantagens de os funcionários dividirem quarto em viagens corporativas. Acompanhe!

Benefícios de dividir quarto em viagens corporativas

Compartilhar o mesmo ambiente de descanso que o colega de trabalho durante uma viagem a negócios pode afunilar a amizade para além do escritório. Em um ambiente totalmente competitivo, isso pode ser bom para a equipe.

Uma vez juntos, a situação pode promover a mentalidade empreendedora, pois entre uma conversa e outra, ambos conhecerão mais as suas funções e darão contribuições valiosas para suas carreiras.

Além disso, é extremamente benéfico para a economia da organização manter os funcionários no mesmo quarto durante uma viagem corporativa. Isso significa uma redução significativa nos custos anuais com diárias.

Desvantagens de dividir quarto em viagens corporativas

A Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) não se pronuncia a respeito de que funcionários podem dividir quarto em deslocamentos de trabalho, mas isso não muda o fato de que a conjuntura torna-se constrangedora para alguns.

Especialmente para os colaboradores que querem privacidade e sentem-se invadidos com uma presença estranha no mesmo quarto de hotel. Os problemas que podem surgir são diversos: diferenças na hora de dormir, rituais de banheiro, deixar a televisão ligada, chamadas telefônicas na madrugada, hábitos noturnos diversos como ronco, sonambulismo etc.

Outro campo delicado é em relação ao entendimento das similaridades ou diferenças de orientação sexual e contextos de discriminação e assédio. São situações sobre as quais as corporações precisam ficar atentas e protegidas.

Boas práticas para compartilhar quartos durante viagens comerciais

É fácil dar razão aos dois lados da discussão. Se por um lado é crucial diminuir as despesas da empresa, por outro exigir o compartilhamento de quartos gera grande descontentamento nos colaboradores mais reservados.

Mas se ideia é submeter os funcionários a ficar no mesmo espaço, sugerimos algumas boas práticas para que isso aconteça de forma mais confortável e segura para todos os envolvidos:

 

  • crie uma Política de Viagens Corporativas clara e que contemple essa questão;
  • comunique com antecedência quem serão os companheiros de quarto, para que cada um se prepare melhor;
  • seja sensível em relação às questões de gênero. Não os misture para não causar constrangimentos e interferências conjugais;
  • se um cargo tem que compartilhar o quarto, todos os outros também têm, inclusive chefias;
  • permita que os funcionários paguem a diferença entre um quarto privado e duplo, caso achem melhor;
  • leve em consideração as necessidades médicas de cada um. Gestantes ou pessoas que tomam muitos remédios podem ficar mais à vontade sozinhas;
  • avalie se promover economia tem o mesmo retorno em benefícios para a motivação da equipe.

Compartilhar quartos é um método de economia de custos aceitável? A resposta tem que ser analisada, uma vez que não há nada legal que determine se funcionários podem dividir quarto ou não.

Para saber mais sobre o universo de viagens corporativas, siga-nos no Facebook!